Barroso da Fonte

O seu a seu dono

Na minha nota da penúltima quinzena aludi aos quatro congressos Transmontanos que se realizaram em 1920, em 1941, em 2002 e 1918. Os três primeiros tiveram por palco Trás-os-Montes.


O último decorreu em Lisboa, graças ao Presidente da Direção, Hirondino Isaías que quis honrar uma das conclusões do III que recomendava a repetição dessa iniciativa de cinco em cinco anos. Dos três primeiros restam as atas, sobretudo daquele que decorreu em Bragança e que deu nas vistas pela quantidade de congressista, do primeiro-ministro e do Presidente da República.

Na nota que aqui assinei há 15 dias procurei assinalar o século que se completou em1920 e lamentava que ninguém e nenhuma autarquia tivesse aludido a esses 100 anos que foram fazendo história e que, ainda hoje, perduram em imagens e palavras que dão para invocar alguns daqueles que mais se distinguiram. Foi o caso de Miguel Torga: quem escreve ou discorre sobre Trás-os-Montes, alude ao magnífico texto que proferiu, em Vidago, em 1941, intitulado: Reino Maravilhoso.

Não se pense que foram inúteis essas quatro jornadas em cada quarteirão de século XX. Especialmente dos três primeiros. Trás-os-Montes ainda hoje é a província mais desprezada de Portugal e em tudo.

 Foram os ventiladores que aterravam no Porto. E, em vez de seguirem para o interior norte, desciam para o centro do país. Cena idêntica se passou com as vacinas. A Voz de Chaves de 7 do corrente escreveu: «os concelhos de Montalegre e Valpaços foram os primeiros a receber a vacina em estruturas residenciais para idosos. Lares de Chaves começam a ser vacinados na próxima semana» (13-17). Como? Querem exemplo mais claro desta bagunçada que deita por terra toda a hipocrisia política do Governo?

Nesta minha primeira reflexão de 2021 devo corrigir uma informação que dei na minha última nota de leitura, neste jornal quando, a propósito do silêncio secular sobre o mutismo dos quatro congressos, nenhuma autarquia Transmontana ter elogiado o esforço dos promotores desses eventos.

De facto, não fui correto com o Grémio Literário de Vila Real que editou um curioso livro de Álvaro Magalhães dos Santos sobre «A Rua Direita – Uma Janela sobre Vila Real», anotações numeradas, entre a página 14 e a 165 facilita a leitura. Numa espécie de agenda anual, onde menciona as pessoas dessa Rua Direita e recorda eventos que ajudam a um retorno histórico. Na obra «Histórias ao Café» fala-se de tudo isso. E o investigador Elísio Neves, sempre ao lado de Pires Cabral, editaram, além daquele livro, duas coleções de postais do tempo do I Congresso. Ficam as minhas desculpas. ■

Comentários