DR

AHRESP e Turismo do Porto e Norte juntam-se para apoiar a recuperação das empresas

Entidades assinaram hoje protocolo de colaboração que tem como principal objetivo divulgar o PRE – Programa de Revitalização de Empresas entre os empresários da região do Porto e Norte


O Turismo do Porto e Norte de Portugal e a Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) assinaram hoje, na sede da AHRESP, em Lisboa, um protocolo de colaboração que tem como principal objetivo divulgar e promover o PRE – Programa de Revitalização de Empresas entre os empresários da região do Porto e Norte de Portugal. Este programa, que já se encontra acessível, resulta de uma parceria entre a AHRESP e a MONERIS, e tem como objetivo disponibilizar um conjunto de ferramentas que mitiguem os efeitos nefastos da crise económica nas empresas, evitando o recurso judicial de insolvência.

Com este programa, a AHRESP procura impedir a destruição parcial do tecido empresarial destas atividades económicas, que se apresenta como inevitável para muitas empresas.

“Nesta altura, os maiores problemas que as empresas enfrentam são a queda abrupta do consumo e a necessidade de mais apoios à tesouraria. Os números dos nossos inquéritos apontam para que 41% das empresas da área da restauração correm o risco de insolver”, referiu Carlos Moura, 1º vice-presidente da AHRESP, acrescentando que “a AHRESP sempre esteve do lado das soluções para as empresas”, sendo o PRE uma dessas soluções. “As empresas têm de aguentar até à recuperação da crise pandémica”, defende.

“É função deste protocolo ajudar a diminuir o impacto da pandemia nestas empresas. É preciso que as empresas aguentem até os reforços chegarem - as vacinas, por um lado, e o reforço dos apoios do Governo, por outro”, afirma o presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Luis Pedro Martins, que considera ainda que “o que não pode acontecer é voltarmos a ter turistas e não termos empresas nem trabalhadores para os receber”.

O PRE analisa a situação económica de cada empresa, apresentando um plano integrado que permita a sua viabilidade e soluções de revitalização, procurando-se simultaneamente a modernização das suas atividades, evitando o seu encerramento e a destruição dos seus postos de trabalho.

O programa desenvolve-se ao longo das seguintes fases:

Fase 1 – Diagnóstico: Análise à situação atual da empresa e definição das principais linhas de ação a desenvolver para recuperar o negócio.

Fase 2 – Plano de Recuperação: Mediante o diagnóstico, a empresa tem a opção de avançar com a estruturação do plano de recuperação económico-financeiro, assim como das medidas e ações a concretizar.

Fase 3 - Modelo de Recuperação: Tal como para a Fase 2, também esta etapa é opcional. Aqui chegados, desenvolvem-se os modelos de implementação de cada uma das medidas desenhadas na fase anterior, beneficiando a empresa de um acompanhamento dedicado e especializado.

Este programa está disponível em todo o território nacional, continente e regiões autónomas, e abrange todas as empresas da restauração e bebidas e do alojamento turístico.

Comentários